O que a biometria tem a ver com o seu negócio?

29/08/2018 - 10:34 - Outros

Do controle de acesso à verificação de identidade: tudo fica mais rápido e seguro com tecnologias de identificação biométrica

Imagem de uma mulher passando por procedimento de reconhecimento facial
Comunicação Institucional do Serpro 

Na era digital, as interações eletrônicas parecem se sobrepor às presenciais. E-mails, mensagens, cadastros, transações bancárias e comerciais acumulam-se diariamente, espelhando nossa identidade no mundo sem que nossa presença física seja necessária. Mas como garantir que uma outra pessoa não esteja disfarçadamente se passando por você, roubando seus dados, sua privacidade ou seu dinheiro?

A fim de transpor o conceito de identidade para o mundo digital, todos os serviços online trabalham com mecanismos de autenticação. O mais simples deles é a senha. Existem também as chaves, ou tokens, dispositivos físicos que são necessários para conclusão do processo de identificação. Por fim, chegamos à biometria, que refere-se ao uso de características individuais, fisiológicas ou comportamentais, para verificar identidades.

Cada sistema vai definir qual desses três mecanismos melhor se adequa às suas necessidades, muitas vezes associando mais de um no seu processo de identificação. Entretanto, o consenso entre os especialistas é que a biometria pode ser o mais seguro entre eles, por causa de seu caráter intransferível: a senha é algo que se sabe, de forma que outro também pode sabê-la; chaves são algo que se tem, podendo ser manuseadas por outras pessoas; a biometria refere-se a algo que se é, e ninguém pode ser no lugar de outrem.

"A biometria utiliza as características físicas das pessoas, como impressão digital, formato dos olhos e contorno da boca para reconhecer uma pessoa e distingui-la das demais. Por ser algo particular, ligando-se a características com as quais a pessoa nasce, a biometria torna-se um dos modos mais seguros de autenticação de transações. Uma vez que seu negócio possua um nível maior de criticidade de acesso e identificação, mais de uma técnica pode ser combinada para resultados ainda mais robustos", destaca Gustavo Monti Rocha, chefe de Desenvolvimento e Sustentação de Produtos Cognitivos no Serpro.

Na opinião de Gustavo, o mercado está explorando cada vez mais o potencial da biometria, favorecendo a emergência e consolidação de um amplo ecossistema de negócios digitais. Para ele, o maior destaque nesse cenário é a massificação de aplicativos de celulares que utilizam a identificação dos usuários por meio de técnicas de reconhecimento facial e impressão digital.

Tipos de identificação biométrica

Praticamente tudo que se refere ao indivíduo pode ser usado como base para reconhecimento e autenticação: do DNA, passando pelo modo como a pessoa caminha, até seu padrão químico de odores corporais. Cada técnica tem suas particularidades, como praticidade e custo de operação. Conheça algumas das modalidades mais usadas atualmente.

Reconhecimento da face - Por meio de uma imagem, são determinados vários pontos identificadores da face. As informações são comparadas com as imagens registradas no banco de dados. Transformações naturais da face durante a vida, assim como acessórios ou diferentes expressões faciais, podem dificultar a identificação. Trata-se de uma técnica rápida e de baixo custo.

Geometria da mão - Baseia-se na comparação de uma imagem das mãos com os registros em um banco de dados. Apresenta o inconveniente de um custo maior, pois depende da instalação de equipamentos específicos para coleta das imagens das mãos.

Identificação da íris - Funciona a partir da captura da imagem em alta definição da íris humana. É um dos processos mais seguros disponíveis atualmente, pois cada íris é única e imutável com o passar dos anos. Trata-se de uma opção de custo sensivelmente maior, se comparada ao reconhecimento facial.

Identificação da retina - Semelhante ao método anterior, só que a imagem armazenada retrata os vasos sanguíneos no fundo dos olhos. Também é um método seguro, mas tem dois inconvenientes: as características da retina não são totalmente imutáveis, sendo afetadas por algumas condições médicas; e o reconhecimento é mais lento e incômodo, já que depende de a pessoa olhar fixamente para uma fonte de luz.

Reconhecimento de voz - De baixo custo, fácil utilização e não intrusiva, ainda é pouco utilizada por não ter um alto grau de confiabilidade. Ruídos no ambiente, além de mudanças na voz, provocadas por gripes ou estresse, podem atrapalhar o reconhecimento.

Reconhecimento da assinatura - Método muito fiável, prático e ágil, mas de médio custo. A assinatura pode mudar com o tempo, mas características como pressão e movimentos aéreos são únicas de cada indivíduo, tornando difícil sua falsificação.

Impressão digital - Método rápido, de alta confiabilidade e baixo custo. É uma das tecnologias biométricas mais difundidas. Um leitor óptico capta a imagem do dedo e a compara com um banco de dados de digitais previamente gravadas. O sistema analisa detalhes como terminações e bifurcações dos sulcos, assim como arcos e voltas que aparecem nos dedos.


Associe a biometria ao seu negócio

Já pensou em ter acesso a um sistema de identificação biométrico de âmbito nacional e sempre atualizado para garantir mais segurança para o seu negócio? Bancos, empresas de varejo, empresas telefônicas, locadoras de veículos e órgãos de governo de todas as esferas podem agora contar com o Datavalid. Trata-se de uma API desenvolvida pelo Serpro e ofertada para o mercado nacional.

De acordo com Gustavo Monti Rocha, um dos responsáveis pela parte técnica deste produto no Serpro, a solução oferece três camadas de validação para uma maior segurança em processos de identificação e autenticação. São elas:

Validação cadastral e biográfica - a partir de informações cadastrais, será feita a validação dos dados, como nome, idade, data de nascimento, endereço (logradouro, número, bairro, complemento), filiação, situação do documento e outros. O retorno será por índice de similaridade (percentual) para os campos descritivos e verdadeiro/falso para os campos objetivos.

Validação biométrica facial - a partir de uma foto, a comparação será feita com a base de imagens da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e o retorno será dado por índice de similaridade (percentual) e faixa de probabilidade (baixa, alta e altíssima).

Validação biométrica digital - a partir de uma ou mais digitais, a comparação será feita com a base de digitais da CNH e o retorno será dado por índice de similaridade (percentual) e faixa de probabilidade (baixa, alta e altíssima), para cada digital validada.


"Por ser uma API, o Datavalid pode ser completamente incorporado aos sistemas do cliente, permitindo validações automáticas e em lote, além de camadas adicionais de segurança, como protocolos de prova de vida", completa Gustavo.

Acesse a página do produto e conheça mais sobre essa solução que coloca o poder de grandes bancos de dados governamentais de identificação a serviço do seu negócio, minimizando os riscos de fraude.

 

Fonte: SERPRO